1ª Consocial estimula realização de pré-conferências livres

A etapa federal da 1ª Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social (1ª Consocial) acontecerá, em Brasília, somente no ano que vem, em maio, nos dias 18 a 20. Porém, desde já, todos nós temos como participar. Isso porque a Coordenação-Executiva do evento está incentivando que cidadãos organizem livremente pré-conferências, até 30 de dezembro, por todo o País.


As pré-conferências livres têm o objetivo de ampliar o debate da 1ª Consocial e envolver ainda mais pessoas no processo participativo. Diferentemente das conferências convocadas (municipais, regionais, estaduais e distrital), as livres – como o nome já diz –  não precisam ser formalmente instituídas e podem ser realizadas por ONGs, estudantes, associações de moradores, órgãos públicos ou qualquer outro grupo de cidadãos.


Esses encontros também se diferenciam por não elegerem delegados. Mas, por outro lado, consistem em um canal simplificado e democrático para que os cidadãos possam se manifestar – inclusive, nas redes sociais. É possível, por exemplo, acessar a Consocial no facebook.    


Para auxiliar na organização das pré-conferências livres, foi elaborado um manual, disponível no portal da Consocial, com todas as orientações para a realização desse processo participativo. O documento explica como organizar o debate e como priorizar as diretrizes/propostas que serão enviadas para a etapa nacional. Cada encontro livre deverá gerar um relatório com até dez propostas/diretrizes, que deverá ser enviado à Coordenação-Executiva pelo site da conferência.


Criadas pela necessidade de se abrir espaço político aos cidadãos, que não se enquadram nos moldes tradicionais de processos participativos em vigor, as conferências livres foram inauguradas na Conferência Nacional de Juventude em 2007 e já reaplicadas na Conferência Nacional de Segurança Pública (2007/2008) e Conferências Nacionais de Cultura e de Comunicação (2009/2010). Segundo relatórios desses eventos, as livres reuniram aproximadamente 200 mil pessoas.