ACMD divulga Central “Mãos Dadas” em cidades da Região

Dando continuidade aos eventos itinerantes de divulgação e ampliação do atendimento da “Central Mãos Dadas” – Central de Informações dos Direitos da Criança e do Adolescente, a Associação Comunidade de Mãos Dadas (ACMD) esteve na última quarta-feira, dia 22, em Registro, no Vale do Ribeira.O projeto foi apresentado para as comarcas que compõem o Vale do Ribeira e contou com a presença de juízes, promotores, conselheiros de direitos, conselheiros tutelares e representantes de organizações como a OAB e entidades de atendimento à criança. O evento aconteceu na Associação Cultural Nipo-Brasileira. Já no dia 30, próxima quinta-feira, a ACMD fará a apresentação em São Vicente, a convite da promotoria da infância e da juventude. O evento será realizado na Câmara Municipal do Município (Av. Antonio Emmerich, 1195), das 9h às 12h e reunirá também juízes, promotores, conselheiros de direitos e tutelares, membros de entidades e demais interessados.O Projeto”Central de Informações dos Direitos da Criança e Adolescente – Mãos Dadas” (www.maosdadas.org.br) é uma iniciativa pioneira no Brasil, que, como o nome já diz, tem a finalidade de informar e debater sobre a legislação vigente no que se refere ao ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). O projeto foi idealizado e desenvolvido pela Associação Comunidade de Mãos Dadas (ACMD). As pessoas interessadas no assunto enviam perguntas que são respondidas por consultores. O serviço é totalmente gratuito. Uma das metas é ser um instrumento de capacitação para Conselheiros de Direitos e Tutelares, profissionais que atuam na área da infância e juventude e também para a comunidade em geral. Os questionamentos podem ser feitos através de diferentes meios de comunicação: e-mail, fax e carta. A resposta sempre é transmitida pelo mesmo veículo no qual a pergunta foi encaminhada. Segundo o Diretor Executivo da ACMD, Eduardo Vianna Junior, a principal característica do projeto é ser um facilitador. “A Central é uma plataforma de conhecimento e de inteligência. Nós queremos compartilhar toda essa tecnologia que a ACMD adquiriu durante seus oito anos de história – fazendo com que as pessoas e as instituições economizem esforço e tempo”, acrescentou. Atualmente, participam do projeto 67 consultores voluntários que são advogados, juízes ou promotores. Uma mesma questão é esclarecida por vários consultores. Cabe ao advogado responsável pelo projeto, Carlos Alberto Ferreira Mota, selecionar e editar esse material: “Às vezes, mais de um consultor responde uma determinada questão. Então, nós unimos as respostas, mostrando que existem dois ou mais caminhos jurídicos para solucionar aquele problema. E isso é muito bom”, disse. O projeto teve início em 2002, porém, na época, a “Central” não tinha sido implementada com toda sua capacidade. Mesmo assim, no ano passado, durante a fase piloto do projeto, foram contabilizadas mais de 100 perguntas – uma média de 20 por mês. Com o aumento do número de questionamentos, a idéia é que exista no site uma seção contendo perguntas e respostas mais freqüentes. Além disso, a ACMD tem a intenção de lançar produtos para demonstrar os resultados do projeto. “A Central é um provedor de informações e de soluções. Somente com a utilização criativa do conhecimento acumulado é que conseguiremos transformar a realidade da criança e do adolescente”, comentou o Diretor Adjunto da ACMD e responsável pelo marketing de relacionamento do projeto, Admilson Vieira. A ABMP (Associação Brasileira de Magistrados e Promotores) é parceira do projeto. Além disso, a iniciativa recebe o apoio do Unicef.