Baixada Santista cai no Índice Paulista de Responsabilidade Social

O Índice Paulista de Responsabilidade Social (IPRS), divulgado pela Fundação Seade em março com dados de 2006, apontou que a Baixada Santista caiu do Grupo 1 (que abriga municípios com alta riqueza e longevidade e escolaridade médias ou altas), onde estava desde 2004, para o Grupo 2. Já Bertioga, a menor e mais nova cidade da Região foi classificada como a segunda mais rica do Estado de São Paulo, ficando atrás, apenas de São Sebastião, no Litoral Norte.


Vale ressaltar que o conceito de riqueza do levantamento não significa distribuição de renda. Neste indicador, é considerado o consumo anual de energia elétrica comercial, industrial e residencial, rendimento médio dos empregados da cidade e valor dos bens produzidos no município.


Entre os fatores que ajudaram Bertioga a alcançar o resultado, está a questão dos royalties da Petrobras, em razão de alguns dutos no subsolo da cidade que a ligam ao Porto de São Sebastião, o que eleva a renda per capita do município, estimada em R$199 milhões para 39.091 habitantes, em 2009.


O IRPS faz um acompanhamento dos 645 municípios do Estado, que são organizados em cinco grupos, de acordo com os indicadores sociais (educação e longevidade) e econômico (renda). No indicador educação, Bertioga ficou na 502ª colocação e no quesito Longevidade passou para o 551° lugar — no último levantamento, de 2004 estava na 548° posição. Entre as cidades mais ricas do Estado, aparece logo depois de Bertioga, Guarujá na terceira colocação. Já Santos está na 6ª colocação.


Baixada Santista — Mesmo a Região Metropolitana da Baixada Santista sendo a mais rica do Estado, não possui nenhuma das nove cidades no grupo das melhores paulistas. Segundo o relatório da Seade isso ocorre devido ao rendimento médio do emprego formal (R$ 1.380,00) e o valor adicionado fiscal per capita (R$ 11.172,00) que estão abaixo da média estadual.


O relatório aponta ainda que entre as cidades mais beneficiadas com os novos empreendimentos imobiliários, estão Bertioga, Praia Grande, Itanhaém e Peruíbe. Santos e Guarujá têm como destaque o Turismo de negócios. O porto e o polo industrial de Cubatão foram considerados fatores importantes para a economia regional.


Políticas — O IRPS nasceu como uma sugestão do Fórum São Paulo do Século XXI ocorrido na Assembleia Legislativa, durante o ano 2000. Sua finalidade é servir parâmetro para os gestores das cidades formularem Políticas Públicas adequadas à realidade.