Cerca de 300 mil crianças participam de grupos armados espalhados pelo mundo

O número é realmente chocante. Segundo dados da Anistia Internacional (AI), infelizmente, aproximadamente 300 mil meninos e meninas são recrutados como combatentes para atuar em grupos armados espalhados por todo o Planeta. Ainda conforme a AI, essa prática está presente em 24 países.


Na América Latina, o caso mais preocupante é o da Colômbia – onde se estima que 14 mil crianças ou adolescentes se encontrem em tal situação de risco. Fato que, segundo organizações da sociedade civil, já teria ocasionado o falecimento de cerca de seis mil – parcela que corresponde a 10% do total de mortes.


Por causa desse contexto, o Tribunal Internacional sobre a Infância afetada pela Guerra lançou uma campanha de conscientização sobre o assunto: “Adote uma Criança Morta pelo Conflito Armado Colombiano” Seu principal objetivo é denunciar a quantidade de óbtos e chegar num patamar mais próximo da realidade.


Outra manifestação importante, contra essa violência, é o “Dia Mundial das Mãos Vermelhas”, ocorrido em 12 de fevereiro. A idéia é utilizar essa data como forma de luta contra a utilização de crianças nos conflitos bélicos. 


Absurdo – Os meninos e meninas são recrutados, pois apresentam vigor físico e obedecem sem discutir – além de serem facilmente substituíveis. Dentre as tarefas desempenhadas por eles, estão: a desativação de minas, a espionagem, a execução de missões suicidas e a obrigação de satisfazer sexualmente os adultos.


A grande maioria é recrutada à força – sendo sequestrada da família ou das ruas e escolas. Porém, há aqueles que ingressam no conflito armado de forma “voluntária”, fugidos de casamentos arrumados, ou porque acreditam que essa é uma maneira de “melhorar” suas condições de vida.