Cobertura de Imprensa


Vários veículos de comunicação fizeram a cobertura jornalística do Seminário da ACMD. Clique aqui para assistir a uma das matérias televisivas e também para ler um conteúdo impresso.



TV Tribuna (acessar e preencher com os seguintes dados: vídeos; data 22 de novembro; telejornal 1a edição; clicar na 5ª matéria).



Jornal A Tribuna –dia 22 de novembro:


Quarta-Feira, 22 de Novembro de 2006, 08:19


Termina seminário sobre responsabilidade social


Da Reportagem


  Termina hoje, no Mendes Convention Center, o seminário Redes e Responsabilidade Social promovido pela Associação Comunidade de Mãos Dadas (ACMD). Ao longo do dia, representantes dos três setores sociais — Estado, empresas e sociedade civil organizada — participarão de palestras, apresentações de casos e, ao término do evento, de uma plenária.
  Serão três palestras: Políticas Públicas para a Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente, às 8h30, com o promotor de Justiça da Infância e do Adolescente de Praia Grande, Carlos Cabral Cabrera; Ética e Responsabilidade Social, às 11h15, com o psicanalista Walmir Cedotti; e Sustentabilidade, às 15h15, com a diretora do Centro de Empreendedorismo Social e Administração em Terceiro Setor da Fundação Instituto de Administração (FIA), Rosa Maria Fischer.
  As apresentações de casos serão divididas em três módulos. Das 9h45 às 11 horas, haverá exposições de exemplos referentes ao primeiro setor; das 14 horas às 15h15, relativos ao segundo setor; e das 16h30 às 17h40, ao terceiro setor. A diretora-presidente do Instituto Migliori, Regina Migliori, encerra o dia, às 18 horas, com a plenária A Expansão do Nível de Consciência – somos todos responsáveis.
  A abertura do seminário, realizada ontem, contou com a presença do secretário de Estado de Assistência e Desenvolvimento, Rogério Amato, entre outras autoridades. Ele ressaltou a importância do empreendedor cívico na construção de uma sociedade mais justa. ‘‘Nenhum governo, assim como qualquer empresa ou entidade, é capaz de resolver todos os problemas existentes. As ações devem ser complementares’’.


Jornal A Tribuna – dia 23 de novembro:


Quinta-Feira, 23 de Novembro de 2006, 07:25


Entidades devem focar resultados


Da Reportagem


 ‘‘A responsabilidade social não pode ser apenas uma bijuteria, um adereço para deixar a imagem mais bonita’’. A frase da doutora em Sociologia Rosa Maria Fischer resume um dos pontos mais discutidos durante os dois dias do seminário Redes e responsabilidade social, realizado pela Associação Comunidade de Mãos Dadas (ACMD), ontem e terça-feira, no Mendes Convention Center.
  Rosa, que é presidente do Centro de Empreendedorismo Social e Administração em Terceiro Setor da Fundação Instituto de Administração (Ceats/FIA), explicou, durante sua palestra, que as organizações devem focar seus projetos sociais em resultados.
  ‘‘Não adianta só dar o prato de sopa para as crianças e tirar fotos. Precisa mostrar que a alimentação destas crianças realmente melhorou’’. Segundo ela, sem este engajamento, o desenvolvimento da sociedade fica comprometido e todo mundo sai perdendo. ‘‘Quanto mais pobreza, menos mercado para qualquer tipo de produto ou serviço’’.
  A socióloga destacou que a responsabilidade social deve começar no próprio ambiente em que vivemos ou trabalhamos. ‘‘O RH (recursos humanos) deve ser prioridade em qualquer atividade’’. E destacou a importância do trabalho em rede. ‘‘Só o Estado ou o mercado ou as Ongs não conseguem sozinhos fazer mudanças em escalas suficientes’’.
  Rosa ainda criticou a arrogância presente na maioria dos programas sociais, que chegam a certas comunidades impondo o que elas devem fazer. Conforme a socióloga, o correto é estimular as pessoas a encontrarem elas próprias as soluções para seus problemas, com base em suas realidades e nos recursos de que dispõem.
  Segundo a diretora-executiva da ACMD, Deborah Okida, o evento serviu para conscientizar pessoas ligadas aos três setores da sociedade (Poder Público, empresas e entidades da sociedade civil) a buscar soluções para os problemas sociais em conjunto.
  Mais de 200 pessoas participaram do seminário, que também contou com especialistas das áreas de ética, gestão, cidadania, criança e adolescente, meio ambiente, entre outros.
  O evento, conforme Deborah, deverá ser realizado todos os anos pela ACMD, que atua na Cidade há 10 anos. ‘‘Santos é um exemplo de cidade onde o terceiro setor já funciona articulado com o Poder Público e as empresas’’, comentou a diretora.