Dra. Valeriana Ribeiro visita a ACMD e compartilha experiências

A médica neurologista Maria Valeriana Leme de Moura Ribeiro esteve na ACMD para conhecer o trabalho e trocar experiências sobre as atividades desenvolvidas com crianças e adolescentes. Com mais de 40 anos de atuação, a médica é uma das mais renomadas profissionais da neurociência do Brasil, ainda em atividade, além de ser livre docente e coordenadora dos cursos de pós graduação da Universidade de Campinas (Unicamp).


A professora, que mora em Santos há três anos, visitou a ACMD no último dia 16 de novembro. Na ocasião, ela assistiu ao vídeo institucional da Instituição. A neurologista comentou sobre a relevância de haver um  acompanhamento de um profissional de assistência social nas escolas. Segundo ela, isso é fundamental para o desenvolvimento da criança, uma vez que muitas delas são “especiais para mais” e outras “especiais para menos”.


A médica defendeu também a flexibilidade nos currículos escolares, para os hiperativos, com uma “inteligência superior”, e que, o conteúdo e o tempo de estudo devem ser maiores. O que, conforme explicou, deve ocorrer de maneira contrária para os que têm dificuldade.


Valeriana disse ainda que áreas cerebrais, previamente diagnosticadas, como comprometidas, se bem trabalhadas podem ter uma evolução bastante grande. Por esse motivo, é importante a conduta e o cuidado do médico em dar um diagnóstico correto. A especialista acredita que o médico tem um papel muito importante na vida do ser humano, uma vez que lida com as tensões do paciente e de sua família. E uma palavra “errada” pode significar muito.


A médica comentou ainda sobre o Centro de Diagnóstico, do Centro Espírita Beneficente 30 de Julho, que faz diagnósticos sobre pessoas com deficiência. Segundo Valeriana é muito importante o trabalho desenvolvido pela entidade, uma vez que um diagnóstico preciso, gratuito, e com qualidade é escasso no Brasil. Conforme ela relatou, atualmente um médico comum precisa fazer cerca de 30 atendimentos por período, e que há um déficit muito grande de psiquiatras na área infantil.


Livros


A neurologista escreveu dois livros, “Neurologia do Desenvolvimento da Criança”, de 1985, e “Condutas em Neurologia Infantil”, de 2004. O primeiro fala sobre a linha de pesquisa da cientista, no que diz respeito à evolução neurológica de uma criança. E o segundo é um apanhado de dicas, para médicos, sobre as condutas em Neurologia Infantil.


Prêmio


Ela também tem seu nome em um prêmio criado pela Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp, que homenageia a professora pelo envolvimento em diversas experiências. O intuito do prêmio é incentivar a pesquisa e o aprimoramento dos alunos.
 
Veja os principais comentários de Dra. Valeriana


Sobre o centro de Diagnóstico da entidade 30 de Julho, em Santos:


“É importantíssimo que a família saiba um diagnóstico correto sobre a criança. Infelizmente, o Brasil possui um número muito pequeno de centros como este, mas é fundamental, para tranquilizar, como para orientar a família de um deficiente”.


Sobre os “Especiais para mais”:


“Os especiais para mais, ou seja, as crianças que são diferentes das outras, que são muito ativas, abrilhantadas, necessitam de uma atenção mais que especial, porque elas sentem a necessidade de desafiar a autoridade e mostrar que elas podem mais, e o local mais propício para que isso aconteça é a escola, porque os professores e funcionários são os adultos e as autoridades”.


Sobre o déficit de médicos especializados:


“O médico sofre uma pressão muito grande sobre o número de consultas que ele tem que fazer por dia, muitas vezes o profissional dá apenas uma olhada no paciente e receita o remédio, sem conversar, sem saber dos problemas, o que aquele paciente realmente tem por trás daquele sintoma. O número de psiquiatras infantis é muito pequeno, às vezes eu sou chamada para orientar os alunos para preencher vagas, mas é muito difícil por causa do salário baixo e da alta pressão”.


Sobre a ACMD:


“A ACMD tem um trabalho fantástico. Eu não sabia que tinha a dimensão que tem, a importância na vida das crianças, na transformação social”.