Dra. Zilda Arns – uma parceria alicerçada no amor ao próximo


Foi com imenso pesar que a ACMD recebeu a notícia do falecimento da Dra. Zilda Arns, aos 75 anos. Além da parceria desde 2003, havia de nossa parte uma profunda admiração e amizade. Ela, que era uma das fundadoras e autoridade máxima da Pastoral da Criança, perdeu sua vida fazendo aquilo que mais amava, no Haiti, devastado pelo terremoto do dia 12 de janeiro. Por duas vezes, Dra. Zilda veio na Baixada Santista, a convite da ACMD – com quem desenvolveu, em parceria e de forma pioneira no País, o projeto dos Núcleos Multiuso. No site da organização, há um link especial para as pessoas enviarem suas homenagens.



Segundo informações divulgadas na imprensa, a médica sanitarista estava justamente, no momento da tragédia, em uma igreja ministrando palestra sobre o trabalho desenvolvido por sua entidade – que visa como princípio a valorização da vida.



Trata-se, sem dúvida nenhuma, de uma imensa perda não só para o Brasil, mas também em termos mundiais, já que a Pastoral atuava em cerca de 20 países – sempre garantindo sobrevivência para crianças carentes de zero a seis anos, utilizando metodologias de baixo custo, porém, com uma elevada eficácia. Pode-se destacar as pesagens periódicas, a fabricação da “Multimistura” (um complemento alimentar natural) e capacitações para as líderes, todas voluntárias.


O trabalho da Pastoral da Criança é ecumênico e seu foco reside no combate à desnutrição e mortalidade infantil em crianças de zero a seis anos, melhorando dessa forma, a qualidade de vida de toda a família e comunidade. No Brasil, a Pastoral atua em aproximadamente quatro mil municípios. A rede tem mais de 260 mil voluntários e auxilia quase 2 milhões de crianças. Onde a entidade está presente, a mortalidade infantil é reduzida em até 70% e a desnutrição em 50%.


“Espero que as pessoas lembrem da Dra. Zilda como um verdadeiro exemplo de mulher, mãe, médica, personalidade, cidadã e cristã. E espero que consigam dar continuidade ao trabalho dela”, comentou a Conselheira da ACMD, Rosemarie Roma Vianna, que foi uma das fundadoras da Coordenação da Pastoral da Criança, na Baixada Santista.



Para o Presidente do Conselho Deliberativo da ACMD, Eduardo Vianna Júnior, é importante lamentar o falecimento, mas principalmente, enaltecer o exemplo pacificador e de amorosidade que Dra. Zilda sempre nos ensinou. Ele frisa ainda a relevância da Pastoral. “É, acima de tudo, um trabalho precioso de resgate e valorização da vida, com soluções simples – porém, com benefícios quase milagrosos”, afirmou Vianna.


Parceria com a ACMD – A parceria consistiu em um projeto de instalação de Núcleos Multiuso da Pastoral em comunidades carentes por toda a Baixada Santista. Ao todo foram implantados 30 núcleos em diversos municípios da Região.


Os Núcleos Multiuso são locais onde as atividades da Pastoral da Criança são desenvolvidas. Contam com uma cozinha e um espaço para capacitações e atendimento. O diferencial é que ficam localizados dentro das áreas atendidas pela entidade, facilitando o atendimento e aproximando as famílias. Dentre as atividades realizadas estão capacitações, atendimento às famílias, pesagem das crianças, entre outras.



Por entender que o primeiro direito fundamental das crianças é o “Direito à Vida”, a ACMD procurou a Dra. Zilda Arns, realizando uma visita à sede da Pastoral da Criança em Curitiba, em meados de 2003.


Ao ser questionada sobre a forma que o empresariado poderia colaborar com a Pastoral da Criança, Dra. Zilda citou o sonho de implantar Núcleos Multiuso nas comunidades, pois este era um projeto que não tinha conseguido implantar em nenhum lugar ainda.


A ACMD aceitou o desafio e no mesmo ano, em novembro de 2003, em visita à Santos, Dra. Zilda inaugurou o primeiro Núcleo Multiuso de uma série de 30. Na ocasião, foi assinado um termo de cooperação buscando unir esforços para fortalecer o trabalho da Pastoral da Criança. Com esse desafio em mãos, a ACMD procurou as coordenadoras da Pastoral na região e iniciou-se um levantamento das áreas mais necessitadas para viabilização dos Núcleos.



Balanço – O projeto de instalação dos Núcleos Multiuso da Pastoral da Criança só foi possível graças a uma parceria que demonstra, na prática, que o trabalho em rede é capaz de transformar verdadeiramente a realidade.



Esse projeto proporcionou à Pastoral da Criança uma melhor infraestrutura que possibilitou a otimização do trabalho já desenvolvido pela entidade: o eficaz combate à desnutrição e à mortalidade infantil. Os Núcleos foram sempre viabilizados através de parcerias locais, utilizando-se de dependências já existentes – localizadas em igrejas, sociedades de melhoramento, além de outros lugares. Há também um caso diferenciado, no qual um Núcleo foi instalado dentro de um contêiner. Empresas, clubes de servir, sociedade civil e diversos outros atores se envolveram nessa empreitada.



De 11 de novembro de 2003 a 7 de agosto de 2006, foram inaugurados, no total, 30 Núcleos em diferentes cidades da Baixada Santista. Levando-se em consideração a duração do projeto, foi alcançada uma impressionante média de cerca de uma unidade instalada a cada mês.



Investimentos – Foram investidos, no geral, cerca de R$ 311 mil (uma média de R$ 10,3 mil por unidade). Esses recursos vieram de doações de pessoas físicas e jurídicas e também através do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FMDCA) de Santos.



Pacto contra a mortalidade – Um grande passo desta parceria foi a assinatura de um “Protocolo de Intenções Contra a Mortalidade Infantil”. Essa foi a forma que a Associação encontrou para formalizar um compromisso público entre os diversos atores sociais envolvidos com a questão da mortalidade infantil.



O Protocolo foi assinado pela própria Dra. Zilda Arns, em sua segunda visita à Santos, em 2005. Além da Dra. Zilda Arns, também assinaram o documento Dom Jacyr Braido (Bispo Diocesano de Santos), Deborah Okida (na época Diretora Executiva da ACMD) e seis Prefeitos (das seguintes cidades: Santos, São Vicente, Guarujá, Cubatão, Praia Grande e Mongaguá). Os Prefeitos de Bertioga, Itanhaém e Peruíbe também foram convidados a assinar, porém não compareceram. O principal objetivo era engajar, cada vez mais, o maior número possível de lideranças contra a Mortalidade Infantil.


A intenção da ACMD e da Pastoral da Criança era de que este documento servisse para os nove municípios como uma ferramenta norteadora para que cada cidade formalize convênios de apoio à Pastoral da Criança – inclusive com subsídio financeiro proporcional ao número de crianças atendidas pela entidade.


A assinatura do Protocolo ocorreu durante um café da manhã, na residência da então Presidente do Conselho Deliberativo da ACMD, Terezinha Calçada Bastos. Participaram do encontro cerca de 50 pessoas.


A Dra. Zilda Arns demonstrou uma enorme satisfação referente aos resultados do projeto. “É uma grande alegria ver que Deus intuiu o dom dos empresários para alavancar a Pastoral da Criança”, afirmou. Ela ainda acrescentou que “inteligentes são os Prefeitos que apóiam a Pastoral”. Dra. Zilda também fez questão de ressaltar o pioneirismo da iniciativa: “Santos é um modelo para o Brasil. Nós precisamos fazer um fascículo para divulgar isso”.


No Café da manhã, Eduardo Vianna Junior, Conselheiro da ACMD, apresentou um histórico da parceria, existente há dois anos, entre a ACMD e a Pastoral. “Os resultados positivos não são méritos só da ACMD. São méritos de um grupo de empresários e, principalmente, da Pastoral da Criança”, ressaltou.


Após o café, a Dra. Zilda Arns foi, juntamente com alguns participantes, visitar o Núcleo do Valongo, onde houve uma demonstração inédita de um Núcleo Alternativo – que foi instalado em um container (6m de comprimento por 2,40m de largura).


A visita da Coordenadora da Pastoral da Criança em Santos também teve a finalidade de comemorar os 20 anos de atuação da entidade na Baixada.


Leia e veja mais em:


Jornal A Tribuna – 14/01/2010


Diário do Comércio – 14/01/2010


Jornal da Tribuna – 2ª Edição – 13/01/2010


Jornal da Tribuna – 1ª Edição – 14/01/2010


Jornal da Tribuna – 2ª Edição – 14/01/2010