Economista americano desenvolve estudos sobre a “Era da Criatividade”


Richard Florida, economista americano que é considerado um dos mais importantes pensadores da atualidade, vem realizando um importante estudo sobre o que ele classifica como a “Era da Criatividade”. Segundo Florida, trata-se de um novo momento pelo qual o mundo está passando.


O economista, que também é professor da George Mason University e P.H.D. pela Columbia University, retratou suas pesquisas no livro intitulado: “O Voo da Classe Criativa” (lançado em 2005). Desde então, suas ideias vêm ganhando força, perante a opinião pública internacional.


Conforme também divulgado, foi feito um ranking com 45 países a respeito da chamada “Economia Criativa”. Como demonstrou o levantamento, o Brasil ficou em antipenúltimo lugar – ganhando apenas do Peru e da Romênia. Países como Índia e México, por exemplo, estão a nossa frente. Segundo explicou Florida, a posição do Brasil se justifica devido à desigualdade de oportunidades. Para ele, é preciso estender para todo o País a qualidade das capacitações existentes nos grandes centros.


Porém, o economista alerta que a construção da capacidade criativa não está exclusivamente ligada ao aprimoramento educacional. Mas sim, depende também de coragem para manifestar características pessoais como: esforço, liberdade de expressão e de intuição.


Florida diz ainda que as novas tecnologias não devem superar o pensamento. Dá o exemplo dos japoneses, referindo-se a fabricante de veículos Toyota. Segundo o economista, eles tinham o hábito de ouvir seus trabalhadores, encarando a tecnologia como um apoio e não como uma substituição do julgamento humano.