Fortaleza receber seminário sobre Felicidade Interna Bruta

A capital do Estado do Ceará, também é capital mundial sobre Felicidade Interna Bruta, pelo menos nos dias 9, 10 e 11 de novembro, quando será realizado o 5º Seminário Internacional sobre o tema, no Centro de Eventos do Ceará.


A conferência tem o objetivo de divulgar essa nova forma de medir o progresso, promover o diálogo sobre o tema e apresentar experiências de FIB em andamento no Brasil. Entre os palestrantes convidados estão o Vice-Presidente do Conselho Nacional do Butão, Dasho Karma Ura, e a coordenadora do Movimento FIB no Brasil, Susan Andrews. O Coral da UFC será a atração artística a fechar a primeira noite da conferência.


A Conferência Internacional sobre FIB é uma realização de Magui Guimarães PNL & Coaching, ONG Universos e Instituto Visão Futuro. Apoio da Universidade Federal do Ceará, Agência da Boa Notícia, Banco do Nordeste, Café Santa Clara, Cagece, Cometa Supermercados, Estação da Luz, Farmácias Pague Menos, Fundação Sintaf, Governo do Estado do Ceará, Sebrae e Turma da Malha.


Sobre o FIB
Em 1972, o então rei do Butão, Jigme Singye Wangchuck, se perguntou se a felicidade de um povo está no que ele tem, ou no que ele é? Naquela época, seu governo era criticado porque a economia não crescia. Mas ele acreditava que seu compromisso era construir uma economia adaptada à cultura do país, baseada nos valores espirituais budistas.


Então, em vez de avaliar o crescimento de seu país pelo Produto Interno Bruto (PIB), criou o termo Felicidade Interna Bruta (FIB) ou Gross National Happiness (GNH). Esse índice mede não o quanto o país tem, mas sim o quanto a população é feliz.


Os modelos tradicionais de desenvolvimento têm o crescimento econômico como objetivo principal, já o conceito de FIB se baseia no princípio de que o verdadeiro desenvolvimento de uma sociedade humana se dá quando o desenvolvimento espiritual e o material acontecem juntos, complementando e reforçando um ao outro.


Os pilares de FIB são:


Conservação do Meio Ambiente natural;
Estabelecimento da Boa Governança;
Preservação e promoção dos valores culturais;
Promoção do desenvolvimento sócio-econômico sustentável e igualitário.