Inicio do ano letivo e, com ele, mais Projeto Querô na Escola

Com a proximidade do ano letivo, o Projeto Querô na Escola se prepara para mais atuação. Trata-se de uma realização do Instituto Querô (parceiro da ACMD) que utiliza o audiovisual como ferramenta para estimular talentos, promover a inclusão cultural, transmitir valores, desenvolver o empreendedorismo e dar voz a jovens que vivem em condições de risco social.


No ano passado, o projeto esteve em 17 escolas municipais, atendendo cerca de 1500 estudantes. Isso ocorreu devido a uma parceria com a Secretaria de Educação de Santos. “Passando por todas as áreas do conhecimento, o audiovisual também incentiva o jovem a trabalhar em equipe, praticando solidariedade e o bom relacionamento com o colega de classe. Valores que a escola precisa estimular”, comentou Valéria Vegas, da Seção de Projetos Educacionais Especiais, integrante do Departamento Pedagógico, que orienta as instituições municipais de ensino.
 
O Ministério da Educação e Cultura (MEC), segundo a Assessoria do Querô, também deu aval à iniciativa, criada em 2010, com a seguinte manifestação: “(…) é completo (…) de caráter evidentemente social, emana toda sua positividade em articular a linguagem audiovisual, abrindo espaço de discussão entre educando e educadores. É grandioso e de contribuição ímpar para a sociedade (…)”.


“É legal porque não somos vistos como professores. É uma troca de ideias e flui de forma bem leve, tornando os assuntos mais interessantes”, explicou Damaris Ribeiro, de 22 anos – que passou a estudar cinema e audiovisual, depois de participar das Oficinas Querô. Hoje, como veterana, ao lado de seus amigos no Instituto, ela ensina o que aprendeu aos iniciantes – depois de já ter produzido e dirigido curtas-metragens.