Ipea realiza estudo sobre abrigos

* matéria publicada no informativo redeGIFE de 30 de junho de 2003 – Informativo semanal do Grupo de Institutos, Fundações e Empresas. Site: www.gife.org.brO Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) está realizando, com apoio do Conanda (Conselho Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente), o Levantamento Nacional dos Abrigos para Crianças e Adolescentes. O objetivo é conhecer a estrutura de funcionamento e os serviços prestados pelos abrigos em todo o país. Enid Rocha, coordenadora-geral da pesquisa, fala ao redeGIFE sobre o estudo. Confira os principais trechos: redeGIFE – O que se espera a partir dos resultados obtidos?Enid – O principal objetivo do levantamento é subsidiar o estabelecimento de normas e diretrizes com vistas ao reordenamento dos serviços de abrigos. O maior conhecimento dessas instituições possibilitará a formulação de políticas mais adequadas.redeGIFE – Qual é o papel dos abrigos no desenvolvimento das crianças por eles atendidas?Enid – Os abrigos ou, mais especificamente, as pessoas responsáveis pelos programas de abrigo, têm uma responsabilidade enorme em suas vidas. São guardiões de uma parte das crianças e adolescentes abandonados e marcados por maus tratos, violência, exclusão e, acima de tudo, separação da família. Seu papel é não deixar que eles fiquem esquecidos à espera de que o destino lhes traga uma família de volta. redeGIFE – Essas funções são as ideais? Enid – Entre as pessoas que trabalham nos abrigos existe ainda uma cultura de que lá as crianças e os adolescentes estão protegidos dos maus tratos de suas famílias. No entanto, a função ideal do abrigo é preservar e promover o fortalecimento dos vínculos familiares das crianças que possuem família e, no caso das que não têm, que são a minoria, encaminhá-las para famílias substitutas.redeGIFE – Os abrigos devem ser fiscalizados pelos Conselhos Tutelares, pelo Ministério Público e pelo Poder Judiciário. Como eles têm feito isso?Enid – É função dessas instâncias fiscalizar os serviços de abrigo e zelar pela qualidade do atendimento. Entretanto, a fiscalização é difícil, pois ainda existem muitos abrigos não regularizados. Esta atividade deve ser aprimorada e contar com a ajuda da comunidade.