Mortalidade infantil deve cair na Região

A secretária estadual de Saneamento e Energia, Dilma Pena, disse que o índice de mortalidade infantil deve cair entre 2010 e 2012, por causa da melhoria no sistema de saneamento básico, fruto das recentes obras no tratamento de esgoto. As Cidades de Bertioga, Guarujá, Cubatão, Mongaguá, Itanhaém e Peruíbe, Santos e Praia Grande receberão no próximo mês Estações de Tratamento de Esgoto e Estações de Pré-condicionamento de Esgoto.


Segundo a secretária, o resultado prático é o desenvolvimento sustentável, que significa praias preservadas, menos doenças, mais qualidade de vida e menos mortalidade infantil. Se confirmadas as expectativas, a região poderá finalmente perder o primeiro lugar de mortes no Estado.


Conforme a Fundação Seade (de 1980 a 2008), o litoral de São Paulo registrou nesses 29 anos índice de mortalidade infantil acima da média do Estado em 27 ocasiões. No resultado mais recente (2008), o número da Baixada Santista ficou em 16,5 óbitos por mil crianças nascidas vivas. O ranking atual é liderado por Peruíbe (24,3), seguido por Mongaguá (21,9), São Vicente (20,3) e Praia Grande (17,1). Sendo que o número médio do Estado é 12,6 mortes para mil nascidos vivos.


Acompanhada dos prefeitos de Santos, João Paulo Papa (PMDB); e o de São Vicente, Tércio Garcia (PSB), Dilma Pena vistoriou o trabalho na Estação de Pré-condicionamento de Esgoto do José Menino, por onde passa o esgoto coletado nos dois municípios. Somado ao emissário submarino, cuja tubulação foi ampliada no mês passado, a intervenção vai permitir que a atual capacidade de evasão salte dos atuais três mil litros por segundo para 5,3 mil litros por segundo.


Com duração de 30 meses e investimentos de R$ 9 milhões e 300 mil, o programa pretende eliminar o despejo de esgotos que chega aos canais por meio de ligações irregulares lançadas no sistema de drenagem.