Mortalidade infantil deve crescer ainda mais na Baixada Santista


A Baixada Santista vem apresentando o pior índice de mortalidade infantil do Estado. E, infelizmente, esse número deve crescer ainda mais chegando a 18,4 (a cada mil nascidos vivos), conforme matéria publicada pelo Jornal A Tribuna.


Apesar de ainda não terem sido divulgados oficialmente, esses dados, referentes ao ano passado, foram levantados por fonte legítima, a Diretoria Regional de Saúde da Baixada Santista (DRS-4), órgão ligado à Secretaria de Estado da Saúde.


Já em notícia dada hoje, a Coordenação Regional da Pastoral da Criança (parceira da ACMD desde 2001) informou que a entidade já vinha sentindo, de modo geral, uma tendência de aumento. A ACMD e a Pastoral, há anos preocupados com essa problemática, desenvolveram na Baixada Santista 30 Núcleos Multiuso para otimizar o trabalho – além de criar um Protocolo de Intenções Contra a Mortalidade Infantil para ser implantado pelas prefeituras da Região.


Porém, esse problema é bem mais antigo. No cenário estadual a Baixada Santista já ficou com o pior indicador por 11 vezes, entre 1980 e 2008. E o mais surpreendente, pelo que foi divulgado em A Tribuna hoje, é que o índice de mortalidade infantil na Região (18,4) é maior do que o de países como a Bósnia Herzegovina (13), Vietnâ (13) e Líbia (17).


Confira na tabela a seguir os últimos índices registrados na região.