Movimento Nossa Santos fará na sexta-feira um evento para cerca de 40 entidades

O “Movimento Nossa Santos – Sempre Ética” começou a ser articulado recentemente. Nesta sexta-feira (oito de agosto), acontecerá na Cidade um café da manhã, a partir das 8h, que reunirá cerca de 40 representantes de entidades e organizações.


 


Essa mobilização teve início com a visita à Cidade, no mês de abril, do empresário Oded Grajew, que é uma liderança da Sociedade Civil Organizada reconhecida internacionalmente (foi um dos fundadores do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social). Na ocasião, ele veio explicar o “Movimento Nossa São Paulo” (do qual é um dos líderes) e compartilhar seus resultados.


 


O primeiro movimento desse tipo surgiu na Capital da Colômbia, Bogotá. Depois, a idéia foi sendo disseminada. Aqui no Brasil, já existem similares em importantes Capitais como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. A intenção é que o maior número possível de municípios do País crie seus respectivos movimentos, adequados às particularidades de cada cidade. Como sempre pioneira no que diz respeito ao engajamento social, Santos já tem um grupo formado que está buscando novas adesões. E Esse é um dos principais objetivos do café da manhã.


 


Na Cidade, o movimento está sendo liderado pelas seguintes entidades: Associação Comunidade de Mãos Dadas (ACMD), Diocese de Santos, Fórum da Cidadania/CONCIDADANIA, Ordem dos Advogados do Brasil – OAB (Subseção de Santos), Rotary Club de Santos e Universidade Católica de Santos (UniSantos).


 


Todos esses movimentos têm em comum a seguinte finalidade: fazer com que o Poder Executivo crie  e cumpra um Programa e um Plano de Metas. Sua apresentação deve ocorrer no máximo 30 dias após a posse do prefeito.


 


O chefe do Poder Executivo terá liberdade para elaborar seu Plano de Metas, dentro de diretrizes básicas pré-estabelecidas pela Sociedade Civil Organizada, visando o desenvolvimento sustentável (considerando a esfera ambiental, social e econômica), a redução das desigualdades e a melhoria da qualidade de vida para todos, a universalização do atendimento e dos serviços públicos, dentre outras.


 


Depois da apresentação do Plano de Metas, o prefeito tem que promover audiências públicas para que a população em geral tenha chance de debater os assuntos que considerar pertinentes e dar contribuições. Ao final de cada ano de mandato, o governo deve publicar oficialmente um relatório, contendo as realizações daquele período.


 


Mas, para que tudo isso se torne realidade, é preciso que haja uma emenda na Lei Orgânica do Município. E essa emenda precisa ser aprovada na Câmara. Por isso, um grupo de entidades foi recebido, durante o mês de junho, pelo prefeito, João Paulo Tavares Papa, e também pelo presidente da Câmara, Marcus de Rosis.


 


Veja a opinião de algumas lideranças do movimento:


 


“Esse movimento trata-se de uma construção coletiva. Nós, da ACMD, realizamos muitos trabalhos em rede, pois acreditamos no seu potencial transformador. O fato de reunirmos dezenas de entidades dá muita força e legitimidade ao movimento”, disse o Presidente do Conselho Deliberativo da ACMD, Eduardo Vianna Júnior.


 


“A aprovação dessa emenda proporcionará uma participação cidadã mais qualificada, porque ocasionará mais diálogo com o Poder Público, através de um acompanhamento mais contínuo e próximo de suas ações – favorecendo assim a transparência”, afirmou o Coordenador Geral do Fórum da Cidadania/CONCIDADANIA, Célio Nori.


 


“Um dos principais pilares do Rotary é a ética. E por isso também estamos integrando esse movimento. Arregimentamos os 10 Rotary clubes da Cidade, o que representa nossa totalidade. E vamos incentivar outros grupos a fazer o mesmo. Esse movimento vai agregar bastante, porque coloca à disposição da população um mecanismo de acompanhamento, visando a transparência e segurança”, comentou o Presidente da Comissão do Rotary Club de Santos em Apoio ao Movimento Nossa Santos, Marcelo Marsaioli.


 


“Os advogados de Santos que sempre se mobilizaram pelas boas causas sociais, participam com entusiasmo desta iniciativa que nos faz acreditar mais ainda no futuro da nossa cidade”, afirma Rodrigo Lyra, presidente da OAB/Subseção de Santos.


 


“A Unisantos tem como uma de suas prioridades uma educação com ética e cidadania e, portanto se alia a esse movimento que se considera de grande importância para a população e para a consolidação de nossa democracia”, comenta Maria Helena de Almeida Lambert, reitora da Unisantos.


 


“A Diocese de Santos acredita nesta iniciativa enquanto ela possibilita o diálogo e aponta para uma melhor qualidade de vida no futuro do povo”, diz Francisco Surian, representante da Diocese.