Parceiros da ACMD no projeto Nota Fiscal Legal aprovam iniciativa

urnas

urnasNo mês passado, o projeto da ACMD, Nota Fiscal Legal, que dentro do programa Nota Fiscal Paulista permite a doação de cupons e notas fiscais sem CPF, alcançou 500 parceiros. Esses parceiros são estabelecimentos comerciais que vendem produtos nos quais incidem o pagamento de ICMS, imposto estadual utilizado para fazer a restituição aos consumidores ou destinar à entidades sociais, como a ACMD, previsto na Lei nº 13.441/2009. Os proprietários desses estabelecimentos afirmam estar bastante satisfeitos com a parceria da ACMD.

O empresário Rogério Galvão, que possui seis unidades do Subway e cinco do Spoleto, garante que a parceria gera resultados de impacto social. “Nós conhecemos a ACMD há muitos anos. A associação sempre esteve a frente de grandes desafios e quando surgiu essa possibilidade da Nota Fiscal Paulista não sabíamos que ia dar tão certo. Afinal, o ticket médio das lojas gira entre R$ 10 e R$ 20, é baixo, mas a logística montada, o número de parcerias e o envio pelo sistema de notas, gera um volume de recursos surpreendente, que são, de fato, investidos em projetos que beneficiam crianças e adolescentes da região”, afirma.

Por outro lado, o proprietário do restaurante Novo Espaço, Luiz Carlos Pinto de Oliveira, ressalta a importância dos empresários praticarem uma ação de responsabilidade social. “A destinação das notas sem CPF é uma ação de exercício da cidadania e na condição de contribuinte, eu me sinto muito feliz em poder contribuir, valorar um papel, aparentemente sem valor financeiro, se transformar em recursos financeiros que são aplicados em projetos importantíssimos para crianças e adolescentes, como é o caso do polo aquático”, diz.

Normalidade no crédito
Recentemente, o Governo do Estado de São Paulo anunciou que não pagaria os créditos de outubro, quando as entidades e contribuintes recebem o beneficio, dos primeiros seis meses do ano. Contudo, na última terça-feira (28), o governador Geraldo Alckmin voltou atrás e afirmou que as entidades receberão os recursos. A previsão é que o Governo pague, aproximadamente, R$ 78 milhões para 3.400 entidades assistenciais. Já os créditos relativos ao segundo semestre deste ano, só serão disponibilizados a partir de abril de 2016, como de praxe.