Projeto do Polo é apresentado em Caruara

O projeto da ACMD “Polo Aquático – O Esporte como Ferramenta de Inclusão Social” foi apresentado em Caruara (região continental de Santos), em 1º de setembro, no espaço do Projeto Escola Total, da Prefeitura. O encontro contou com a presença de cerca de 60 pessoas – entre pais e alunos do Ensino Fundamental II e Médio – que levaram fichas para poder se inscrever. Os primeiros treinamentos começam no dia 14 de setembro.


A participação é gratuita e o projeto terá duração de um ano. É destinado a pré-adolescentes e jovens com idades que variam entre 10 e 18 anos. No caso de Caruara, os treinamentos ocorrerão, a princípio, às terças e quintas-feiras – das 9h às 11h e das 14h30 às 16h30.


No dia do encontro, apresentaram o projeto Deborah Okida (Coordenadora Executiva da ACMD), Fábio Ungaretti (professor de educação física) e Adriano Silva (também professor de educação física e técnico de polo aquático).


Vídeos que ilustraram a prática do esporte e alguns equipamentos específicos também fizeram parte da apresentação, sendo demonstrados por Fábio Ungaretti. “É muito bom para os adolescentes de hoje ver o exemplo de alguém que deu certo. Mostra como o esporte pode mudar para melhor a vida das pessoas”, comentou Deborah.


Financiamento – O projeto do polo em Caruara é uma nova iniciativa, desta vez, aprovada pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA). O órgão emitiu um Certificado de Captação de Recursos e coube à ACMD buscar financiadores na iniciativa privada.


O projeto foi patrocinado pelas seguintes empresas: Termares, Fertimport, Tecondi e Mesquita Locações. Esta é uma versão reduzida do projeto aprovado pelo Ministério do Esporte (atualmente em fase de captação). Ambos foram idealizados e serão executados pela ACMD.


Veja abaixo as fotos da apresentação em Caruara.


Clique aqui para ler mais sobre o projeto do polo no Ministério do Esporte.


Adriano foi participante de um projeto similar, realizado a há cerca de dez anos, por uma empresa associada à ACMD, o Clube Internacional de Regatas e a Prefeitura de Santos. Foi essa experiência que inspirou a ACMD a reelaborar essa iniciativa.


Para Adriano, que começou aos 12 anos, o polo foi uma excelente oportunidade. Hoje, ele é técnico da modalidade em um renomado clube de São Paulo e faz mestrado em treinamento esportivo. “Fiquei muito entusiasmado em ver essas crianças (de uma comunidade carente) com os olhos atentos durante a apresentação que fizemos. O polo é um esporte diferente que pode lhes ensinar valores, como por exemplo, o de saber atuar em grupo”, afirmou Adriano –  “além de colocá-los em contato com pessoas e ideias novas”, acrescentou.