Projeto Pólo Aquático – O Esporte como Ferramenta de Inclusão Social da ACMD completa um ano

No próximo dia 18 de abril, quinta-feira, às 14 horas, o Centro Esportivo e Recreativo Manoel Nascimento Júnior (M. Nascimento), na Zona Noroeste, receberá o 2º Festival de Pólo Aquático, com meninos e meninas que pertencem ao projeto “Pólo Aquático – O esporte como ferramenta de inclusão social”, realizado pela ACMD em parceria com a Prefeitura de Santos e financiado pela Lei de Incentivo ao Esporte do Ministério do Esporte. O objetivo é mostrar para a comunidade local e patrocinadores os talentos desenvolvidos com a ajuda do projeto.


O técnico do projeto, Dedi Basaglia, que também é técnico da equipe de pólo aquático do Clube Internacional de Regatas esteve atento aos novos talentos e escolheu 21 adolescentes para treinar com ele no clube. “Desses adolescentes oito estão treinando na equipe masculina juvenil de pólo aquático e outras 13 meninas foram selecionadas para compor a primeira equipe feminina juvenil de pólo aquático do Inter”, ressalta.


Ainda de acordo com Dedi, o próximo passo é que esses adolescentes se federem a Confederação Brasileira de Desportos Aquático (CBDA) para se tornarem jogadores de pólo profissional. “Quem sabem eles não podem contribuir para que o pólo aquático conquiste a inédita vaga nos Jogos Olímpicos”, projeta.


Realizado nas piscinas do próprio M. Nascimento e do Complexo Esportivo Rebouças, desde maio do ano passado, o projeto recebeu cerca de 290 meninos e meninas, que precisaram comprovar o comparecimento no ensino regular para praticar o esporte.


“Nosso compromisso não é só formar futuros atletas, mas também o de passar valores morais, éticos e de vivência em grupo, que são fundamentos transversais que o esporte proporciona”, conta o coordenador técnico do projeto, Léo Pasquali, o Léo do vôlei, um dos mitos do esporte santista, que fez parte da geração de prata do voleibol brasileiro.


Futuro
Atualmente o projeto tem como patrocinadores a Codesp, Sabesp, Mcdonald’s, Martin Brower, Mesquita Locações e FSB Foods. Contudo, a continuação do projeto está no Ministério do Esporte para aprovação.


“Depois de aprovada, as empresas precisam ter interesse em continuar patrocinando o projeto e estamos em busca disso. Enquanto ainda não temos os patrocinadores, a ACMD e a Prefeitura de Santos vão manter as aulas com recursos próprios. Mas não é possível mantermos essa estrutura por muito tempo, por isso a presença dos patrocinadores no dia 18 é também importante”, explica Léo.