Santistas se articulam para cobrar plano de metas do governo

Entidades e organizações não- governamentais da Cidade estão se articulando para cobrar do Poder Executivo a criação e o cumprimento de um programa e um plano de metas e indicadores, seguindo diretrizes básicas pré-estabelecidas pela sociedade civil organizada, a fim de promover o desenvolvimento sustentável do Município. Denominado “Movimento Nossa Santos – Sempre Ética”, o movimento congrega cerca de 40 entidades e é liderado pela Associação Comunidade de Mãos Dadas (ACMD), Diocese de Santos, Fórum da Cidadania/Concidadania, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) Subseção de Santos, Rotary Club de Santos e Universidade Católica de Santos (UniSantos). Na manhã de ontem, representantes das entidades se reuniram na residência da conselheira da ACMD Terezinha Calçada Bastos para apresentar a proposta e os próximos passos do movimento. Representando o Jornal A Tribuna, o editorchefe do jornal, Marcio Calves, participou do encontro. De acordo com o presidente do Conselho Deliberativo da ACMD, Eduardo Vianna Júnior, o foco principal do “Movimento Nossa Santos” é a transformação social, econômica e ambiental, as quais devem estar articuladas em várias áreas de atuação. A fim de que seja promovido o desenvolvimento sustentável da Cidade, as entidades estão propondo a criação de uma emenda à Lei Orgânica do Município, cuja apresentação deve ocorrer até 90 dias após a posse do prefeito que deverá ser eleito em outubro. Para isso, o movimento já conta com várias adesões, dentre as quais a de A Tribuna. Depois da apresentação do Plano de Metas, o prefeito terá que promover audiências públicas para que a população tenha chance de debater os assuntos que considerar pertinentes e dar contribuições. Ao final de cada ano de mandato, o governo deve publicar oficialmente um relatório, contendo as realizações daquele período.



ÍNDICES


O acompanhamento das ações do Executivo deverá ser feito através de índices que deverão ser criados para fazer parte do plano de governo, segundo o representante da Diocese de Santos, Francisco Surian. “Esses índices são importantes para que se possa saber como o governo está agindo naqueles pontos que são fundamentais para a sociedade”. Presidente da Comissão do Rotary Club de Santos, Marcelo Marsaioli lembrou que caberá ao Rotary engajar clubes de serviço e entidades que prestam atendimento comunitário. “A cidadania tem que ser ativa, organizada, participativa e solidária”, destacou o coordenador geral do Fórum da Cidadania, Célio Nori. “Precisamos fazer com que a cidadania esteja presente em todos os lugares”. Dentro dos próximos 30 dias, o movimento pretende conquistar o maior número de adesões possível, de acordo com Eduardo Vianna Júnior. Após isso, deverá ser agendada uma solenidade na Câmara de Santos para que possa ser entregue a lista com os nomes das entidades que aderiram ao “Nossa Santos”. A mobilização que deu início ao movimento começou quando da visita a Santos, em abril, do empresário Oded Grajew, um dos fundadores do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social e um dos líderes do “Movimento Nossa São Paulo”.

Prazo

O prefeito eleito terá três meses para apresentar o plano de metas de sua gestão, contemplando as ações estratégicas, os indicadores e as metas quantitativas para cada um dos setores da administração pública
Interessados devem acessar o site www.guerreirossemarmas. net e se cadastrar

Destaque


NOSSA SANTOS. A exemplo do movimento criado na Capital, sociedade civil pretende monitorar ações da Prefeitura


Santistas se articulam para

cobrar plano de metas do governo
Ontem, representantes das entidades se reuniram na residência da conselheira da ACMD Terezinha Calçada Bastos para apresentar a proposta Nori: cidadania participativa Vianna: transformação social