Selo de eficiência energética para prédios


Um selo de eficiência energética parecido com os dos eletrodomésticos, mas que será utilizado em edifícios. Essa norma, que já existe em alguns países, e que visa garantir a economia de energia elétrica, será empregada no Brasil nos próximos cinco anos, de forma voluntária, em prédios comerciais. O prazo é para que a construção civil possa se adaptar.


A medida faz parte do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica da Eletrobrás (Procel Edifica). Os selos serão aplicados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) — e terão como base análises a serem realizadas por especialista de seis centros de pesquisas.


A ideia é que conforme o consumidor se acostume com a metodologia e comece a priorizar empreendimentos mais econômicos fazendo com que o setor da construção civil procure desenvolver projetos eficientes, do ponto de vista energético.


Em relação à classificação dos selos, vai de ‘A’ (mais eficiente) a ‘E’ (menos eficiente). Ou seja, um edifício que seja definido como ‘A’ poderá ter cerca de 50% de economia de energia se comparado com um menos eficiente. A regulamentação incluí três requisitos: eficiência do sistema de iluminação, do sistema de ar-condicionado e o desempenho térmico da envoltória (fachadas e janelas).